Procedimentos Terapêuticos


10. Inseminação Intra-Uterina

A inseminação artificial é o processo de introdução dos espermatozóides diretamente no interior do útero. Geralmente é indicada para casais com infertilidade masculina, como baixo volume de sêmen, baixa concentração ou motilidade diminuída dos espermatozóides. Mas a inseminação artificial também pode ser utilizada para tratar casos de infertilidade feminina, como problemas do muco cervical ou fatores imunológicos, ou ainda quando não se tem nenhuma causa diagnosticada (infertilidade sem causa aparente).



É um procedimento relativamente simples e indolor, realizado no consultório médico. Numa técnica denominada inseminação intra-uterina (IIU), o médico insere os espermatozóides diretamente no interior do útero, próximo do momento da ovulação.



Para isso é necessário haver um preparo do sêmen em laboratório (capacitação espermática), melhorando assim a qualidade do sêmen.



Normalmente está associado a indução da ovulação na mulher, desta forma também melhorando a ovulação. Caso a mulher tenha muco cervical em pequena quantidade ou ausente, esse procedimento aumenta chances de fertilização.